SÃO CARLOS CLUBE

O Bar do Bosque recebe nos dias 21 e 22 de setembro, o Festival de Blues, que entrou no calendário de eventos do Clube para ficar, e que nesta edição escolheu a dedo os músicos que prometem trazer misturas de ritmos com o consagrado blues. Confira a programação:

No dia 21, às 20h, quem abre o Festival de Blues 2018 é a banda Clementines, resultado da junção de country, blues e rock n’roll. O trio de vozes é formado por Carol Lewis, Zi Catalano e Mayra Aveliz, que buscam através de arranjos simples, mas harmônicos, passar todo o sentimento característico de grandes clássicos da música country, como as canções das Carters Sisters, Hank Willians, Wanda Jackson e muito mais.

Em seguida, a partir das 22h, quem sobe ao palco é Adriano Grineberg. Com vinte anos de carreira, é um dos maiores músicos de Blues do país, mesclando referências como Ray Charles, BB King, Jerry Lee Lewis, Bob Marley e citações de grandes mestres da música brasileira como Pixinguinha, Luiz Gonzaga e Tim Maia.

Pianista, compositor, arranjador e cantor, Grineberg transformou o blues em sua paixão, que o levou a acompanhar grandes artistas do gênero como J.J. Jackson, John Pizzarelli, André Christovam, Corey Harris, Big Time Sarah, dentre outros. Em 2004, abriu alguns shows de B.B. King em São Paulo.

Ainda teve passagens pela banda Ira! e gravou com Arnaldo Antunes, Elba Ramalho, Wanderléa, Gilberto Gil, Ana Cañas e Paralamas do Sucesso. 

Atualmente, além de composições próprias, Adriano Grineberg reverencia em suas apresentações as raízes da África e da música indiana. Os mantras e bhajans tradicionais da Índia recebem arranjos inusitados que remetem às linguagens da música brasileira. Já o CD Blues for África, lançado em 2014, é como uma síntese melódica e rítmica das duas décadas de pesquisas do compositor no continente africano.

 

Três apresentações no Sábado

A abertura da noite de sábado ficará a cargo de Márcio Rocha Duo, tocando o melhor do blues acústico. Natural de São Roque/SP, Márcio Rocha foi fisgado pelo blues no início dos anos 90, desenvolveu seu estilo tocando riffs marcantes e bends intensos, tornando-se também cantor e educador musical de vários instrumentos. 

Ao lado de reconhecidos músicos que são parte da história do blues, participou de shows e festivais com Deacon Jones, Kenny Brown, Donald Kingsey, Big Time Sarah, Danny Vincent, Blues Etílicos, Fernando Noronha & Black Soul, Lancaster Ferreira, André Christovam, Irmandade do Blues e Made in Brazil.

No interior paulista, apresentou-se em diversos festivais, como “Piracicaba Blues Festival”; “Festival Nas Bandas de Cá” no Sesc São Carlos; “Sesc’n Blues” em Araraquara e Bauru; “Ski Mountain Blues Festival” em São Roque; “Tenda ao Blues - Festival Internacional de Blues” no Sesc Araraquara; Slow Brew Festival em Ribeirão Preto; Villa Blues Pub, Botucatu.

Com mais de 20 anos dedicados ao blues, atualmente está lançando seu primeiro CD com canções próprias “No blues até os ossos”, pelo selo Blue Crawfish Records.

O swing segue a partir das 21h30 com o Big Blues, um quarteto formado em 2012 por Lucas Rocha (voz e guitarra), Junior Muelas (bateria), Vagner Siqueira (baixo) e Victor Hugo (sax/piano/gaita). Os músicos já integraram as principais bandas de blues de São Paulo e São José do Rio Preto. Participaram das edições de 2009, 2013, 2014 e 2017 do Sesc Jazz n’Blues. Em julho de 2014 apresentaram-se no show “Blues 70”, no teatro do Sesi em Rio Preto. Fazem shows pelo país, dividindo o palco com grandes nomes do blues como Flávio Guimarães, Danny Vincent, Netto Rockfeller, Val Tomato, Marcelo Watanabe, dentre outros.

E, para fechar o Festival de Blues com chave de ouro, a partir das 23h, sobe ao palco Fernando Noronha, um dos maiores guitarristas de blues do Brasil. Desde 1995, Fernando Noronha & Black Soul tem participado dos maiores festivais de blues e jazz pelo mundo, incluindo o Montreal Jazz Festival no Canadá, Augusti Blues Festival na Estônia e Santiago International Jazz Festival no Chile.

Fernando Noronha & Black Soul encontrou sua própria sonoridade combinando influências do rock e do blues americano com o groove brasileiro. Natural de Porto Alegre/RS, Fernando sempre identificou sua sonoridade com o blues do Texas, terra de grandes guitarristas como T-Bone Walker, Johnny Winter e Stevie Ray Vaughan, grandes influencias em sua obra. Teve a oportunidade de trabalhar de perto com grandes nomes do blues, como B.B. King, Chuck Berry, Buddy Guy, Chris Duarte (que produziu dois de seus álbuns) e Ron Levy. Na iminência de seu oitavo álbum, "Time Keeps Rolling", Fernando Noronha & Black Soul continua a reforçar sua presença global através da nova parceria com o selo Worldhaus Music.